Para levantar as forças . Cecilia Urioste

R$80,00

Com incentivo do Funcultura, a artista Cecilia Urioste passou dois anos imersa em um diário pertencente à sua avó, conhecido como “diário de remédios” – onde descrevia com detalhes consultas ao médico, suas dores e os medicamentos que estava tomando. Através da narrativa imagética composta por trabalhos fotográficos, reproduções do diário e de fotos do acervo da família, a artista revela, em meio à objetividade aparente das consultas e remédios presentes no diário, a sutileza de uma dor que não pode ser resolvida em simples prescrições: o luto.

Em estoque

  

Para levantar as forças caracteriza-se pela brancura predominante da maioria das páginas. As fotografias são alternadas com páginas vazias, cuja referência foi omitida na descrição para evitar a redundância e a repetição. Sobre as fotos do diário dos remédios, as anotações foram escritas originalmente com caneta de tinta azul, preta ou vermelha. As fotos desse diário sofreram interferência provocada pela artista, o desbotamento das cores, gradualmente a cada página até que ele ficasse semelhante a uma marca d’água. A ortografia do texto, preservada na audiodescrição, não obedece ao rigor da norma culta.

Os livros fotográficos de Ana Rovatti e Cecília Urioste – Mariano Klautau Filho
[…] Em “Para levantar as forças”, Cecília Urioste utiliza o formato para nos colocar em extremo contato íntimo com o pequeno caderno de notas com espiral de arame de sua avó. Na primeira página lemos, na forma de título: “- 1989 – Remédios – Tomei ou estou tomando”. A partir daí, seguimos a cada página uma lista infindável de remédios, seus efeitos bons e maus, seus desdobramentos colaterais, comentários sobre os médicos revelando parcialmente o perfil e temperamento da personagem e especialmente certa capacidade em conviver com a dor física. O diário de remédios ocupa o centro do espaço gráfico da publicação obedecendo a lógica das dobras, o verso das folhas fazendo-o performar como um fac-símile ressaltando a fisicalidade e a proporção do documento por meio da reprodução fotográfica. É desta maneira que a intimidade estabelecida com o leitor é quase total. No entanto, a artista torna o diário presente quase até a metade do livro em um processo suave de apagamento. Quanto mais avançamos, interessados na leitura minuciosa dos remédios e seus efeitos, mais a narrativa da artista vai apagando a escrita numa espécie de fade-out em branco.

É somente a partir da segunda metade do livro que Cecília Urioste insere “suas” fotografias, em parte apropriadas do álbum de família, e em seguida imagens construídas para a narrativa do livro. É por meio das imagens construídas, que fazem alusão a objetos frágeis, fissurados e cortantes, que um inventário de fraqueza e força se completa. Há uma peça solta dentro do livro, um pequeno cartaz dobrável com a foto de um moletom da banda The Police que se conecta à escrita de três linhas da artista no fim da narrativa. Tal conexão se torna uma chave de compreensão sobre a autora do diário dos remédios. E a escrita, mais uma vez, ressalta a presença das imagens, cria nuances e liberta a narrativa para que a obra, antes de tudo, seja um livro de artista. […]

Peso 0.14 kg
Dimensões 13.5 × 1 × 19 cm
Autor(es)

Cecilia Urioste

Título

Para levantar as forças

Editora

Edição de autor

ISBN

9788593383106

Edição

Ano

2018

Tiragem

200

Local de produção

Pernambuco . Brasil

Idioma

Português

Encadernação

Brochura

Páginas

62

REF: CEC-00001 Categoria: Tags: , ,
Updating…
Translate »
×

Olá!

Se tiver dúvida, precisar de alguma ajuda ou sugestão mande um whatsapp ou mensagem pelo email querofalar@lovelyhouse.com.br

× Precisa de ajuda?